Devo vacinar meus filhos contra o HPV?

Hoje estamos aqui para falar de um assunto muito sério e um tanto polêmico: a vacinação contra o HPV.

HPV

Em 2014 quando esta vacina foi introduzida no calendário de vacinação do ministério da saúde e fornecido gratuitamente a todas as meninas entre 11 e 13 anos eu fiquei extremamente feliz. Era um grande avanço para o nosso Programa Nacional de Imunização (PIN), e muita gente pensou igual. Tanto que a taxa de vacinação foi em torno de 90%, sem relatos de eventos adversos graves.

Mas no ano seguinte algumas coisas mudaram, e muita gente deixou de vacinar. Mas por quê? Será que as pessoas não entendiam para que servia a vacina? Qual seria o medo dos pais? Bom fomos tentar entender o que estava acontecendo e percebemos que uma série de boatos se criaram em torno deste assunto, alguns corroborados, inclusive, por pessoas do meio médico ! Hoje me sinto na obrigação de explicar para todos vocês o que é mito e o que é real quando o tema é VACINA contra HPV.

 

Você sabe o que é HPV? O HPV é um vírus, capaz de infectar pele e mucosa. Existem mais de 200 tipos de HPv, sendo que alguns deles podem infectar especificamente o trato genital e causar câncer. Entre estes, os HPV 16 e 18 (contemplados nas vacinas contra HPV atualmente em uso) são responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero. O intervalo entre a aquisição da infecção pelo HPV e o desenvolvimento do câncer de colo de útero é em geral de pelo menos 10 anos. Embora não seja de conhecimento geral da população, o vírus também está relacionado a tumores malignos nas regiões do pênis, anus, vagina, vulva, orofaringe e boca. Com um problema de tamanha proporção fica fácil supor que a vacina seria um grande avanço, e é! Em 2015 a Universidade da Indiana, nos Estados Unidos, considerou a vacina contra o HPV como um dos avanços mais importantes da medicina nas últimas duas décadas.

 

MAS essa vacina é segura? Sim, muito segura! Como qualquer vacina, antes de ser introduzida à população geral ela passou por diversos estudos grandes em muitos lugares do mundo (entre eles EUA, Austrália, Alemanha, Suécia e Dinamerca) sendo  comprovada sua segurança e eficácia acima de 90%. Esta vacina está liberada nos EUA desde 2006 e há muitos anos é utilizada em muitos países, e após vários anos de experiência com ela em diversos programas de imunização em todo o mundo, demonstrou-se segura e não foi associada a eventos adversos sérios.

 

Existem eventos adversos na vacina? Sim, como em qualquer vacina os eventos adversos podem acontecer. Os mais comuns relacionados à esta vacina são os mesmo comuns às outras vacinas: reações locais (dor, inchaço, e vermelhidão), dor de cabeça e febre. Eventualmente desmaios podem ocorrer (muito mais relacionado a fundo emocional pela ansiedade da realização de uma vacina ou pelo medo da mesma, do que a vacina propriamente dita). Não houve nenhuma associação de evento adverso grave com relação causal da vacina.

Uma parte do infundado medo dos pais em relação a esta vacina, aqui no Brasil, ocorreu após o relato de 2 adolescentes terem apresentado paralisia temporal nas pernas após receberem a vacina. Após muitos exames e avaliação cuidadosa dos casos as investigações posteriores apontaram como desencadeador do evento uma reação de ansiedade pós-vacinação, ou seja, a causa, não foi a vacina, mas o ato de vacinar.

 

campanha do SUS para vacinação HPV
campanha do SUS para vacinação HPV

 

Quem pode/ deve vacinar? A vacina é liberada para meninas e mulheres entre 9 e 45 anos, exceto gestantes, e meninos e jovens entre 9 e 26 anos. Nos postos de saúde, vacina-se gratuitamente todas as meninas entre 9 e 13 anos e as mulheres portadoras de HIV entre 9 e 26 anos.

 

Quantas doses tenho que dar?

REDE PÚBLICA

  • Meninas entre 9 e 13 anos :
    • 2 doses (0-6 meses)
  • Meninas e mulheres com HIV entre 9-26 anos :
    • 3 doses (0-2-6 meses)

 

REDE PARTICULAR

  • Meninas  entre 9-45 anos:
    • 3 doses (0-2 -6 meses)
  • Meninos entre 9-26 anos:
    • 3 doses (0-2-6 meses)

 

 

A Vacina acelera a vida sexual da menina? Não. Não há nenhum dado científico qe comprove ou corrobore com este medo de alguns pais. Não é porque uma criança/ adolescente foi vacina que ela vai iniciar sua vida sexual.

 

Bom, acho que deu para ficar bem claro a importância, a eficácia e a segurança da vacina contra o HPV, né?! Então só para vocês sempre se lembrarem:  a  vacinação no início da puberdade oferece evidente possibilidade de prevenção primária que, associada às ações de rastreamento do câncer do colo de útero (como o papanicolau), permitirá, em um futuro próximo, reduzir a enorme incidência desta  doença em nossa população.